6 de fevereiro de 2017

Coaching – uma nova chance de autoconhecimento, por Valéria Patriani

Há algum tempo vem se falando sobre o coaching –  sejam em artigos, entrevistas, cursos ou palestras. Mas, afinal, você sabe o que o coaching pode fazer por você?

Primeiramente é preciso entender que a palavra Coach, em tradução livre do inglês, significa “técnico”, “treinador” ou “instrutor”. Isso mesmo! Você deve ter pensado no Bernardinho do vôlei, ou no Tite da Seleção Brasileira de Futebol ou até mesmo no Cuca, do Palmeiras. Esses renomados técnicos comungam a tese de que não se ensina o desportista a jogar, isso o atleta já sabe e, sim o orientar, em seu inerente talento na criação e aproveitamento das oportunidades.

Traduzindo o Coach para o mercado e o mundo corporativo moderno, ele/ela, é o profissional responsável pelo aprimoramento e/ ou desenvolvimento de novas competências dos líderes ou profissionais que aspiram crescimento. A Ciência tem mostrado que a maioria das pessoas tem talentos que elas não percebem, ou desconhecem que tenham – como uma brasa coberta pelas cinzas que continua acesa após as cinzas serem assopradas. O Coach também pode auxiliar seu coachee (cliente) na descoberta ou reposicionamento de uma carreira; além do coaching profissional, há ainda o life coaching que pode identificar possíveis soluções nas outras áreas da “Roda da Vida”, as quais são: Social, Lazer, Emocional, Espiritual, Intelectual, Familiar, Foro íntimo e Saúde, nas quais o indivíduo (coachee) poderá se posicionar onde e como atuar. Por exemplo, a escolha do coachee seja na área Financeira onde ele se identifica como alguém sem disciplina na organização de suas finanças pessoais, o trabalho de coaching poderá auxiliá-lo na identificação dessas lacunas e ajudá-lo a superá-las/ corrigi-las. Porém, sempre é importante lembrar que este processo está nas mãos do coachee – é ele que identifica as suas necessidades e busca fundamentos para alcançá-las. Nada acontecerá se ele não estiver disposto a concretizar seu plano de ação. O coachee tem que ter a consciência de que realmente necessita de sessões de coaching, é fundamental estar com o entusiasmo vibrante e ter plena convicção de que novas competências poderão ser adquiridas.

Cabe ao coach mostrar e utilizar ferramentas adequadas para a vazão das necessidades do coachee fazendo questionamentos apropriados e conhecidos dentro do processo como “perguntas poderosas” para que ele alcance a meta desejada.

Como coachee interessado (cliente), do processo de coaching, procure saber da formação colateral desse profissional de Coach – em que escola se formou? Qual a quantidade de horas realizadas para obter o certificado? Quais as suas referências pessoais e profissionais? Quantos clientes já atendeu? Atualiza-se constantemente? Tratando-se de um trabalho confidencial e pautado pela ética, pode ser que os coachees, anteriormente atendidos, não autorizem seus nomes como indicação, mas vale a pena solicitar sempre referências, mesmo que de outras formas.

Finalmente, o processo de coaching é um trabalho extremamente rico e poderoso, e que pode resultar em importantes ações, para quem se propõe a ser o protagonista.

 

*Valéria Patriani é Coach Executivo, de Carreira e Life Coach, Pedagoga,  Pós Graduada em Educação e Recursos Humanos – PUC Campinas e colaboradora ADVB-PR.

COMPARTILHE
Share on LinkedInShare on FacebookGoogle+Tweet about this on Twitter